TJRS: Hospital é condenado por falha de equipamento em cirurgia

04/03/2016

A Resolução CFM Nº 2.136/2015, publicação no D.O.U., em 01 mar. de 2016, disciplina o procedimento de monitorização neurofisiológica intraoperatória como ato médico exclusivo, definindo a responsabilidade dos médicos, a atuação de pessoa jurídica e estabelecendo as normas para o registro em prontuário de tais atos.

De acordo com a norma, para a realização do procedimento se faz necessária a obtenção de termo de consentimento livre e esclarecido (TCLE), assinado pelo paciente ou seu responsável legal, onde constem informações sobre os principais riscos do procedimento, bem como a identificação do médico responsável por sua realização.

Leia a Resolução completa, clicando aqui.

Fonte: Informações do Conselho Federal de Medicina