Lei que prevê política de diagnóstico e tratamento da depressão pós-parto é constitucional

Plano de saúde é condenado após negar cobertura de exame para Covid-19
Plano de saúde é condenado após negar cobertura de exame para Covid-19
18 de fevereiro de 2021
Projeto de lei prevê gratuidade para exames de DNA para identificar vínculo de paternidade
Projeto de lei prevê gratuidade para exames de DNA para identificar vínculo de paternidade
18 de fevereiro de 2021
Lei que prevê política de diagnóstico e tratamento da depressão pós-parto é constitucional

Lei que prevê política de diagnóstico e tratamento da depressão pós-parto é constitucional

Lei que prevê política de diagnóstico e tratamento da depressão pós-parto é constitucional

Em decisão unânime, o Conselho Especial do TJDFT declarou a constitucionalidade da Lei distrital 6.256/2019, que prevê a instituição de política de diagnóstico e tratamento da depressão pós-parto na rede pública e privada de saúde do DF. A ação direta de inconstitucionalidade foi proposta pelo governador do DF contra a Mesa Diretora da Câmara Legislativa do Distrito Federal.

O autor afirma que a norma contém vício formal, pois “instituiu política de diagnóstico e tratamento da depressão pós-parto, chegando a detalhar, inclusive, a definição da enfermidade”, em desrespeito à competência da União de expedir normas gerais sobre proteção e defesa da saúde e em confronto ao disposto na Lei 8.080/90, de caráter nacional, que regula as ações e os serviços de saúde de todos os entes federativos.

De acordo com o Chefe do Poder Executivo local, não compete aos legisladores disporem sobre a definição de enfermidades, pois são atribuições do Sistema Único de Saúde – SUS, mais precisamente, do Ministério da Saúde. Por fim, relata que o Legislativo distrital violou o princípio da separação dos poderes, ao desprezar a especialização funcional da Secretaria de Saúde do DF, a quem a Lei Orgânica do DF – LODF reservou a tarefa de identificar, intervir, controlar e avaliar os fatores determinantes e condicionantes da saúde individual e coletiva.

Em sua defesa, a CLDF manifesta-se pela improcedência da ação, sob o argumento de que a referida norma apenas reforça a necessidade de atenção especial no diagnóstico e tratamento da depressão pós-parto, na rede pública e privada de saúde. Garante que atuou nos limites da sua competência suplementar para legislar sobre proteção à saúde e ressalta que a política pública de atendimento à enfermidade da qual trata a lei não impõe obrigações materiais ou financeiras à administração pública, tampouco dispõe sobre a criação ou estrutura de qualquer ente público distrital.

O desembargador relator pontuou que a lei atacada não avançou sobre a competência da União, que é a de dispor sobre normas gerais de proteção ao direito à saúde da mulher que padece de depressão pós parto. Destacou, ainda, que o regramento nacional e distrital vigentes sobre o tema permanecem inalterados. “O objetivo da Lei distrital 6.256/2019 é o de realçar a importância sobre a temática, conferindo eficácia normativa ao regramento estampado na LODF de ser dever do Estado a garantia ao direito fundamental à saúde, com atenção especial e integral à saúde da mulher”, avaliou julgador.

Diante do exposto, o colegiado concluiu que inexiste desrespeito à iniciativa legislativa privativa do chefe do Poder Executivo local e destacaram que a norma não viola o princípio da separação dos poderes ou da reserva da administração, uma vez que visa conferir efetividade ao direito social à saúde, garantido pela Constituição Federal e pela própria LODF. “Não há invasão na função típica do Poder Executivo de praticar atos de governo e de administração, notadamente porque a inovação legislativa não modificou a estrutura funcional ou a organização da Secretaria de Estado de Saúde do DF”.

SaudeJur

× Como posso te ajudar? Available from 08:00 to 18:00 Available on SundayMondayTuesdayWednesdayThursdayFridaySaturday