Hospital é condenado a indenizar por falha que resultou em morte de paciente

Cremesp disponibiliza plataforma online para isenção do rodízio de veículos
Cremesp disponibiliza plataforma online para isenção do rodízio de veículos
22 de setembro de 2020
Justiça reconhece concorrência parasitária de laboratório farmacêutico
Justiça reconhece concorrência parasitária de laboratório farmacêutico
22 de setembro de 2020
Hospital é condenado a indenizar por falha que resultou em morte de paciente

Hospital é condenado a indenizar por falha que resultou em morte de paciente

Hospital é condenado a indenizar por falha que resultou em morte de paciente

A 4ª Vara Cível da Comarca de Santos condenou hospital particular a indenizar por falha na prestação de serviço que resultou em óbito de paciente. Como o homem era responsável pelo sustento da família, o hospital deverá pagar uma pensão mensal no valor de um salário mínimo à esposa, até a data em que o marido completaria 65 anos de idade, e ao filho, até seus 24 anos – na época dos fatos com apenas seis meses de idade. Cada um deles também receberá indenização de R$ 100 mil por danos morais.

Consta nos autos que, logo após enfartar, o paciente foi encaminhado à Unidade de Tratamento Intensivo (UTI), onde permaneceu por alguns dias e foi liberado. No entanto, foi constatado em prova pericial que o homem estava recebendo apenas a metade da dose diária de medicamento recomendado para recém-infartados.

De acordo com o juiz Frederico dos Santos Messias, “o perito foi categórico ao concluir que o óbito do paciente guarda estreita relação de causalidade com a má administração do medicamento”. Segundo o magistrado, “os autores foram submetidos a momentos de intenso sofrimento por ocasião da abrupta morte do pai e marido. Sofrimento este que nunca cessará, agravado pela sensação de que óbito não precisava ocorrer da forma como ocorreu”.

O juiz também ressaltou que “o falecido era o provedor, o que certamente aumenta o sentimento de insegurança com relação ao futuro e à manutenção da família”. “Some-se, ainda, a vertente pedagógica da indenização, porquanto não se pode admitir falha grave do hospital a consistir na equívoca prescrição de medicamento essencial para a manutenção da vida do paciente na condição em se encontrava”, afirmou.

Cabe recurso da decisão.

Fonte: TJSP

× Converse pelo WhatsApp Available from 08:00 to 18:00