Toffoli pede vista em julgamento que decidirá se Estado tem obrigação de fornecer canabidiol a paciente com epilepsia

Podcast CBN Vozes. PETS - Participação Dra Claudia Nakano
Podcast CBN Vozes. PETS – Participação Dra Claudia Nakano
20 de agosto de 2020
STF vai discutir exigência de curatela para aposentadoria de servidor por doença mental
STF vai discutir exigência de curatela para aposentadoria de servidor por doença mental
28 de agosto de 2020
STF vai discutir exigência de curatela para aposentadoria de servidor por doença mental

STF vai discutir exigência de curatela para aposentadoria de servidor por doença mental

Toffoli pede vista em julgamento que decidirá se Estado tem obrigação de fornecer canabidiol a paciente com epilepsia

Pedido de vista do ministro Dias Toffoli suspendeu o julgamento no qual o Estado de SP questiona decisão da Justiça que o obrigou a fornecer medicamento à base de canabidiol, ainda não registrado na Anvisa, mas com importação permitida, a paciente que sofre com crises de epilepsia.

Antes disso, apenas o relator, ministro Marco Aurélio, havia votado. O caso estava sendo julgado no plenário virtual da Corte.

Caso

O Estado de SP recusou-se a fornecer medicamento à base de canabidiol a paciente com crises epiléticas. Segundo ressaltou, a falta de registro na Anvisa - Agência Nacional de Vigilância Sanitária impede que seja determinado a ente federativo o fornecimento do produto.

O TJ/SP, por sua vez, concluiu que é dever do Estado fornecer o remédio, realçando não se ter demonstrado existir na rede pública alternativa a atender, de maneira igualmente satisfatória, a necessidade do paciente. Assentou que, embora o fármaco não possua registro na Anvisa, a comercialização não é proibida.

O Estado de São Paulo recorreu e alegou ofensa aos artigos 196, 197 e 200, incisos I e II, da CF e sustentou que “se trata de um novo recurso terapêutico, ainda experimental, cuja eficiência e segurança estão sendo avaliadas”.

Apontou ainda que, por se tratar de medicamento importado, seu custo é extremamente elevado.

Obrigação de fornecimento

Ministro Marco Aurélio, relator, afirmou que tendo em vista haver, embora inexistente o registro, autorização de importação do medicamento pela Anvisa, bem como autorização sanitária para a comercialização do produto, o recurso deve ser desprovido. Sugeriu a seguinte tese:

“Cumpre ao Estado o custeio de medicamento, embora sem registro na Anvisa, uma vez por esta autorizada, individualmente, a importação.”

S. Exa. disse ainda que “à míngua não deve – e não pode – ficar o paciente”.

Fonte: Migalhas

× Converse pelo WhatsApp Available from 08:00 to 18:00