Abono de permanência para aposentado é inconstitucional, diz TJ-RJ

Teste para Coronavirus
Planos de saúde vão cobrir teste para Coronavírus
12 de março de 2020
Brasil poderá ter marco regulatório dos animais de estimação
Brasil poderá ter marco regulatório dos animais de estimação
10 de abril de 2020
Abono de permanência para aposentado é inconstitucional

Abono de permanência para aposentado é inconstitucional

Abono de permanência é um benefício concedido em virtude de um serviço prestado. Uma vez concluído esse serviço, ele não mais deve ser pago. Com esse entendimento, o Órgão Especial do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, por unanimidade, declarou nesta segunda-feira (2/3) inconstitucional a incorporação do abono de permanência aos servidores do município de Itaocara.

O incidente de arguição de inconstitucionalidade contra o artigo 201, II, da Lei municipal 79/1982, foi apresentado pela 19ª Câmara Cível do TJ-RJ.

O relator do caso, desembargador José Carlos Varanda, afirmou que o objetivo do abono de permanência é estimular funcionários públicos a permanecerem na ativa, e não premiá-los sem qualquer contrapartida.

Assim, a incorporação do abono de permanência à aposentadoria viola o artigo 40, parágrafo 2º, da Constituição Federal, sustentou o magistrado. O dispositivo proíbe o valor da aposentadoria supere a remuneração do servidor na ativa.

"

A solução não poderia ser outra porque o servidor já recebeu na ativa a compensação pelo trabalho realizado além do tempo regular, não havendo sentido em continuar a receber a remuneração relativa ao abono de permanência se esta permanência cessou", argumentou o relator.

Segundo Varanda, o recebimento, pelos aposentados, do abono de permanência viola o princípio da moralidade administrativa, atingindo a sociedade como um todo, especificamente o princípio da dignidade humana, pois todos são privados de recursos destinados apenas aos servidores inativos.

Além disso, a medida desrespeita o princípio da solidariedade, que rege o sistema previdenciário, opinou o desembargador. Isso porque destina, sem justa causa, recursos públicos a funcionários aposentados.

Fonte: ConJur

× Converse pelo WhatsApp Available from 08:00 to 18:00