Tribunal garante tratamento a adolescente de Chapecó que sofre de paralisia cerebral

Indenização para dono de égua da raça crioula que morreu eletrocutada por fio de luz
Indenização para dono de égua da raça crioula que morreu eletrocutada por fio de luz
21 de outubro de 2019
Homenagem Câmara Municipal de São Paulo
Pesquisadoras da Secretaria de Agricultura são homenageadas pelo Dia do Médico Veterinário na Câmara Municipal de São Paulo
28 de outubro de 2019
Tribunal garante tratamento a adolescente de Chapecó que sofre de paralisia cerebral

Tribunal garante tratamento a adolescente de Chapecó que sofre de paralisia cerebral

A 4ª Câmara de Direito Público do Tribunal de Justiça de Santa Catarina decidiu que um adolescente de 14 anos, com paralisia cerebral, tem direito a tratamento médico não padronizado no Sistema Único de Saúde (SUS). Ele precisa fazer fisioterapia com um método especial, chamado "PediaSuit". Como a família não tem condições financeiras para pagar o tratamento - que custa ao todo R$ 11.600 a cada seis meses -, pleiteou ajuda do município de Chapecó, no oeste catarinense, onde reside. O pedido foi negado e por isso a família acionou a Justiça.

O adolescente tem uma doença pulmonar obstrutiva crônica que compromete o desenvolvimento neuropsicomotor. De acordo com os autos, a intervenção almejada produz melhores resultados do que as disponibilizadas no SUS. As prescrições, declarações dos médicos e de fisioterapeutas especialistas que acompanham o adolescente corroboram a necessidade deste método específico. Sem ele, segundo os laudos, a capacidade motora do paciente vai piorar. O caso chegou ao TJ.

Em seu voto, no qual abordou artigos do ECA e da Constituição Federal, além de lembrar os precedentes da própria Corte catarinense em casos análogos, o desembargador Carlos Roberto da Silva enfatizou: "A saúde é um direito fundamental e cabe ao Estado garantir as condições indispensáveis ao seu pleno exercício, mediante formulação e execução de políticas públicas sociais e econômicas a fim de reduzir os riscos de doenças e outros agravos."

No caso específico, continuou o relator, "o tratamento é a garantia do mínimo existencial, a fim de interromper a progressão da doença crônica e possibilitar uma melhora na condição de vida do adolescente". Além do relator, participaram do julgamento as desembargadoras Sônia Maria Schmitz e Vera Lúcia Ferreira Copetti e os desembargadores Rodolfo Tridapalli e Odson Cardoso Filho. A decisão, por maioria de votos, foi publicada no dia 16 de outubro (Apelação Cível n. 0312748-69.2015.8.24.0018).

Fonte: Poder Judiciário de Santa Catarina

× Converse pelo WhatsApp