Plenário do CFO aprova Odontologia fora do consultório

Senador Randolfe Rodrigues
CMA aprova projeto que inclui direitos dos animais na legislação nacional
11 de julho de 2019
Médicos pelo Brasil
18 mil vagas para Médicos pelo Brasil
5 de agosto de 2019
Plenário do CFO

Plenário do CFO

O Plenário do Conselho Federal de Odontologia (CFO) aprovou, em reunião no dia 25 de julho, em Brasília/DF, normativa para regulamentar o exercício da Odontologia que exceda o atendimento em consultório. O objetivo é preservar a autonomia profissional do Cirurgião-Dentista, bem como a qualidade dos serviços prestados, tendo em vista o atendimento ofertado de forma indiscriminada em clínicas de estética e salões de beleza em todo o país.

A Resolução CFO-212/2019 veda a prática de atos odontológicos com vinculação, interação, parceria e/ou convênio com estabelecimentos de estética, salões e/ou institutos de beleza e congêneres, sem a devida observância dos critérios e recursos sanitários e de higiene. A deliberação foi embasada na legislação vigente – que dispõe sobre infrações e legislação sanitária federal e define o Sistema de Vigilância Sanitária -, Leis 6437/77 e 9782/99, respectivamente. Além de considerar, inclusive, a Lei 4324/64 que institui os Conselhos de Odontologia: “fiscalizar o exercício da profissão, em harmonia com os órgãos sanitários competentes”.

O Presidente do CFO, Juliano do Vale, explica que o ambiente destinado para atendimento odontológico precisa dispor de estrutura suficiente para permitir a realização tanto de atividades de rotina, mas também esteja apto para atender intercorrências decorrentes da natureza da atividade desenvolvida. “É preciso assegurar que a população tenha acesso a uma estrutura mínima adequada para receber atendimento odontológico com segurança. Do contrário, a vida do paciente fica em risco iminente”, esclareceu.

A regulamentação foi pensada a partir das recorrentes denúncias registradas nos Conselhos Regionais em âmbito nacional que fomentou o debate em Assembleia Conjunta CFO/CROs, no dia 05 de junho, em Brasília/DF. Importante ressaltar que criação dessa normativa foi identificada, em consenso, como emergencial por todos os presidentes dos CROs. O objetivo não é coibir o atendimento prestado, mas sim regulamentar com responsabilidade e de forma padronizada.

CLIQUE AQUI e confira a normativa na íntegra.

Por Michelle Calazans, Ascom CFO imprensa@cfo.org.br

Fonte: CFO