Judicialização na Saúde

Hospital que recusou internação em UTI deve indenizar marido da vítima
2 de setembro de 2016
ERROS MÉDICOS. O aumento das ações na justiça chama atenção de especialistas na área da saúde
8 de setembro de 2016

05/09/2016

Hoje é dia de ‘Consumo em Pauta’, a partir das 16 horas!

A judicialização dos conflitos de consumo é uma das questões que têm preocupado muito o Judiciário. Do total de ações no Brasil, que somam mais de 100 milhões de processos, cerca de 40% são referentes a conflitos de consumo, conforme dados do próprio Poder Judiciário. Isso representa cinco ações para cada habitante, se considerarmos apenas as abertas por consumidores. Como exemplo, na Austrália a relação é de um processo para cada seis mil pessoas.

No número total de demandas judiciais, a área de saúde é uma das que mais vem crescendo, conforme Cláudia Nakano, advogada especializada em Saúde em Defesa do Paciente, do Nakano Advogados Associados. A razão é simples: “o Judiciário tem respondido rapidamente e favoravelmente, emitindo medida liminar que garante ao consumidor realizar seu tratamento médico, fazer cirurgia ou receber o medicamento”, explica a advogada.

Para falar sobre a judicialização dos conflitos na área da saúde, a dra. Cláudia é a entrevistada do programa Consumo em Pauta, na Rádio Mega Brasil Online.

Durante a entrevista a Angela Crespo, que é também editora de conteúdo do site Consumo em Pauta, a advogada comenta sobre o Sistema de Mediação Digital, plataforma desenvolvida pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) possibilitando, de forma online, que o consumidor registre sua demanda contra uma empresa, inclusive de saúde. A questão é encaminhada também de forma online ao reclamado. O que se busca com este processo é a solução da questão o mais rápido possível, evitando-se que o consumidor recorra ao Judiciário. “A proposta do CNJ com esta ferramenta é a composição entre as partes para minimizar as ações judiciais. É uma audiência pré ação judicial. Se resolver ali, o consumidor não precisará recorrer à Justiça.”

A rapidez na resposta pelas operadoras de planos de saúde via o sistema de mediação de conflitos do CNJ será determinante para que a plataforma traga resultados efetivos na diminuição de ações na Justiça, conforme a dra. Cláudia. “O consumidor de saúde precisa de respostas rápidas. Se houver demora ou recusa por parte da operadora de plano de saúde no atendimento à demanda do consumidor, ele possivelmente entrará na Justiça, que responde mais rápido até mesmo que a Agência Nacional de Saúde (ANS).”

A entrevista com a Dra. Cláudia Nakano irá ao ar nesta segunda (5/9), às 16 horas, no programa Consumo em Pauta, na Rádio Mega Brasil Online. Reapresentações na terça, às 19 horas, e na quarta, às 9 horas.

Acesse em www.radiomegabrasilonline.com.br – também disponível para mobile em plataformas Android e iOs.

Fonte: Jornal da Comunicação

× Converse pelo WhatsApp Available from 08:00 to 18:00