Cesáreas passa, de 90% em metade das operadoras

Diagnóstico médico incorreto gera indenização
20 de janeiro de 2015
Decisão obriga a manter plano para paciente com leucemia
21 de janeiro de 2015

20/01/2015

Metade das 826 empresas de planos de saúde no país que fazem atendimento a gestantes tem percentuais de cesáreas acima de 90%. Os dados são de um balanço da ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar), feito a pedido da Folha, que mostra o índice de partos cirúrgicos de cada operadora.

Dessa parcela, 92 não tiveram nenhum parto normal em 2013, data dos últimos dados consolidados. Na outra ponta, apenas 15 (1,8%) têm uma taxa de cesarianas inferior a 45% portanto, dentro de uma meta utilizada pela ANS para calcular o índice de desempenho dos planos.

 Entre as dez maiores operadoras de planos de saúde, o percentual varia de 64,7% caso da Bradesco Saúde, a 97,3% índice da Sul América.  

 A divulgação da taxa de cesáreas por operadora é uma das medidas previstas pelo governo federal para tentar diminuir o índice de partos cirúrgicos na rede privada.

Pelas normas anunciadas no início deste mês, a partir de julho as empresas de saúde serão obrigadas a divulgar essas taxas aos consumidores que as solicitarem, sob pena de multa de R$ 25 mil.

Regra semelhante valerá para a rede credenciada, como hospitais e obstetras.

Para a diretoria-presidente interina da ANS, Martha Oliveira, os dados revelam um “problema generalizado” em toda a rede privada. “Isso reflete não o funcionamento em uma região ou cidade, mas como se organizou a prestação de serviço do país. Não tem nenhum outro que seja assim”, afirma.

Em 2013, o índice de cesáreas nos planos de saúde foi de 84,5% dez anos antes, em 2004, eram 79%. A Organização Mundial da Saúde, porém, recomenda um índice de 15%, calculado a partir da frequência esperada de situações em que a cesariana é o procedimento mais recomendado.  

Para Ana Lucia Keunecke, diretora jurídica da Artemis, que representa direitos das gestantes, a divulgação dos percentuais de cesáreas pode levar as operadoras a reorganizar o sistema.

“Isso mostra a tendência em investir em profissionais com melhores práticas.”

Limites

Procuradoras, associações que reúnem diferentes categorias de operadoras de planos de saúde Fenasaúde, Abrange e Unidas dizem apoiar medidas para incentivo ao parto normal.

Porém pedem cautela na avaliação dos dados e afirmar que os índices “não dependem só das operadoras.”

“A questão é: quem escolhe a modalidade de parto?, indaga José Cechin, diretor-executivo da FenaSaúde. “A escolha nunca é da operadora, é do médico e da parturiente”, afirma.

“Muitas mulheres têm preferido o parto cesariano porque têm horário defenido e a questão de não sentir a dor”, diz Carlos Abbatepaolo, diretor-executivo da Abramge.

Fonte: Folha de São Paulo

× Converse pelo WhatsApp Available from 08:00 to 18:00