Nova tecnologia previne infartos em diabéticos

Unimed terá de indenizar cliente por se recusar a pagar cirurgia realizada em São Paulo
26 de agosto de 2014
TJSP determina fornecimento de medicamento a portadora de desgaste ósseo
29 de agosto de 2014

 26/08/2014

Conhecida como a principal causa de infartos, a Doença Arterial Coronariana (DAC), passará a contar com uma nova opção de tratamento no Sistema Único de Saúde (SUS).  Após avaliação da Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologia no SUS (Conitec), o Ministério da Saúde aprovou a incorporação do stent farmacológico método indicado principalmente para pacientes diabéticos ou com lesões em vasos finos. A expectativa é que a nova tecnologia beneficie cerca de 38 mil pacientes ao ano. 

A Doença Arterial Coronariana é responsável pelo entupimento de vasos sanguíneos que levam sangue e oxigênio ao coração. Por esse motivo, o dispositivo intra-coronariano, ou stent, é fundamental para a prevenção do infarto do miocárdio, redução da mortalidade e dos sintomas. Aproximadamente  300 mil pessoas sofrem infarto do miocárdio por ano no Brasil e  destas 84 mil pessoas morrem.

 Segundo o coordenador de Média e Alta Complexidade do Ministério da Saúde, José Eduardo Fogolin, as doenças do aparelho circulatório são as que mais matam no mundo. “Os pacientes com diabetes tem maior risco de desenvolver a DAC e para eles percebe-se um grande benefício no uso do stent farmacológico. Também é possível constatar uma importante redução no fechamento da artéria do coração nesses pacientes”, explica.  

Medicações

No novo método, as pequenas estruturas  que funcionam como molas para manter a artéria desobstruída são revestidas com medicamentos que reduzem a chance de estreitamento da artéria. Essas medicações são liberadas nos primeiros 12 meses de implante, com o intuito de diminuir a chance de o vaso fechar novamente. Existem, ainda, os stents convencionais, que apresentam apenas a estrutura metálica sem medicações.

Estima-se que cerca de 30% dos pacientes candidatos a receber um stent tem indicação para receber o farmacológico.

 Para o secretário de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos do Ministério da Saúde, Carlos Gadelha, foram muitos os avanços na incorporação de novas tecnologias no SUS. “Fazemos uma avaliação permanente o que torna a política de incorporação tecnológica muito mais ativa. Esse trabalho triplicou a média anual de incorporações. Nos últimos dois anos, o Ministério da Saúde incorporou 95 novas tecnologias, sendo cerca de 70% de medicamentos”, avalia.

Incorporação

 A inclusão de qualquer medicamento no Sistema Único de Saúde (SUS) obedece às regras da Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias (Conitec), que garantem a proteção do cidadão quanto ao uso e eficácia do medicamento, por meio da comprovação da evidência clínica consolidada e o custo – efetividade dos produtos. Após a incorporação, o medicamento ou tecnologia pode levar até 180 dias para estar disponível ao paciente.

 “Existe um processo de amadurecimento muito importante na incorporação de novas tecnologias porque antes de decidir iniciar a oferta do medicamento ou tecnologia é preciso ter estudos que garantam a eficácia e a segurança dos procedimentos para garantir que ele proporcione benefícios e não malefícios aos usuários do SUS”, conclui.

Fonte: Ministério da Saúde

 

× Converse pelo WhatsApp Available from 08:00 to 18:00