Alvos de fraude, planos de saúde por adesão voltam a crescer

Cientistas estão mais perto de diagnosticar Alzheimer em teste de sangue
8 de julho de 2014
Governo britânico quer ampliar oferta de cirurgia bariátrica a diabéticos
15 de julho de 2014

10/07/2014

Um dos alvos da fraude conhecida como falsos coletivos, os planos de saúde por adesão voltaram a crescer em 2013. A alta foi tímida, 1,1% antes um avanço de 6,7% dos planos médico-hospitalares, mas algo que não ocorria desde 2009, quando uma mudança na legislação dificultou irregularidades.

“Identificamos, no último ano, o crescimento da procura por nossos planos coletivos empresariais por adesão”, informou a Amil, maior operadora do segmento médico-hospitalar. “Acreditamos que os planos coletivos por adesão vêm crescendo por atender a nichos específicos de mercado e por contar com condições comerciáveis favoráveis.” 

Mais lucrativos para as operadorase com mensalidades menores que os planos individuais, os coletivos por adesão são oferecidos por meio de associações, sindicatos e entidades de classe a uma determinada categoria.

Em muitos casos, entretanto, esses planos foram oferecidos a pessoas sem nenhum vínculo com a entidade de classe – daí o nome de falsos coletivos.

Em 2009, a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) mudou as regras para coibir a fraude, o que levou a uma queda expressiva no número de beneficiários de planos por adesão. O órgão argumenta que, mesmo com o ligeiro aumento de 2013, a fatia desses planos no total de beneficiários continua a cair menor.

“Se ficar comprovado que o beneficiário não é elegível para a entrada no plano, o mesmo passa a ser considerado como individual e a operadora pode ser multada em R$ 50 mil”, alerta ANS. Para José Cechin, diretor-executivo da  Federação Nacional de Saúde Suplementar (Fenasaúde) – que representa os grandes grupos do setor, o crescimento observado no ano passado sugere que o mercado já foi saneado desse tipo de contrato irregular.

“A nossa suspeita para aumento: a diminuição ocorreu porque devia haver muita pessoa que não tinha vínculo com as associações. Essas tiveram de sair dos planos e por isso que deve ter caído 2010, 2011 e 2012”, afirma, em entrevista ao iG. “Isso já deve ter sido exaurido. Agora, continua havendo gente interessada e retomou as vendas.”

Mensalidade é de 17% menor, mas reajustes podem ser maiores 

Os planos coletivos por adesão são uma opção para quem precisa contratar o próprio plano de saúde – empregados cujo padrão não oferece o benefício ou trabalhadores autônomos, por exemplo.

Como têm uma mensalidade em média 18% menor que a dos planos individuais – segundo de 2012 ANS, os planos coletivos por adesão tornam-se mais atraentes à primeira vista.

O problema é que, assim como nos casos dos planos empresariais (oferecidos pelas empresas a seus funcionários), os coletivos podem ser reajustados livremente pelas operadoras na mudança de faixa etária ou no aniversário do plano – mês em que o contrato foi assinado. Nos planos individuais, a ANS estabelece a cada ano um percentual máximo de aumento.

Além disso, quem faz a negociação com a operadora não é cliente, e sim a associação ou sindicato que contratou o plano.

A Advogada do  Idec lembra que tem se tornado difícil conseguir contratar um plano de saúde individual. Atualmente, 79% dos beneficiários de planos coletivos (por adesão ou empresariais).

Na Amil, a líder do mercado, o percentual é semelhante, sendo 8% de planos coletivos por adesão, 18% de coletivos empresariais de microempresas e pequenas empresas (até 29 beneficiários) e 53% de coletivos empresariais (empresas com mais de 30 vidas).

Para operadoras, esse tipo de plano tem uma margem de lucro maior do que os empresariais 6,63% da mensalidade antes 5,42%, segundo dados da ANS de 2012, e ligeiramente menor que a dos individuais.

 

Fonte: IG Notícias

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

× Converse pelo WhatsApp Available from 08:00 to 18:00